FICHA TÉCNICA

ARQUITETURA:
Autor
MARCO SUASSUNA
Colaboradores
DAVI LUCENA
JAN FURTADO
LÚCIO ISMAEL
MARIANA MELO
VICTOR HUGO
NATHÁLIA HLUCHAN
TAMARIS COSTA

ANO DO PROJETO:
2012

LOCALIZAÇÃO:
BAIRRO SÃO JOSÉ - JOÃO PESSOA - PB

IMAGENS ELETRÔNICAS:
IGOR SIEBRA
ZACARIAS NETO
DESENHO URBANO PARA O BAIRRO SÃO JOSÉ - JOÃO PESSOA - PB

“Habitação de interesse social não é um problema de quantidade, de custo ou de tecnologia e sim da construção da cidade”. Vigliecca, Hector, 2012. Áreas Urbanas Críticas.
Monolito, 92 - 95.

Este estudo projetual investiga possibilidades de intervenção no maior assentamento precário da capital paraibana, o bairro São José, que está situado em área nobre, próximo do maior shopping center da cidade e limitado entre dois elementos naturais: Rio Jaguaribe e a falésia morta com vegetação. Com cerca de 16.000 habitantes, o bairro sofre com problemas de precária infraestrutura, violência urbana, e enchentes em períodos de chuvas intensas devido à ocupação desordenada em área de risco. Para tentar reverter esse quadro, o trabalho apresenta alternativas de intervenção urbana visando provocar o debate considerando as preexistências do lugar e os contrastes socioespaciais. O desenho urbano em questão foi premiado em 2012 pelo Instituto de Arquitetos do Brasil, departamento da Paraíba, na categoria urbanismo, sendo considerado o melhor entre todas as categorias.

Para a urbanização no BSJ é preciso ter planejamento integrado considerando os projetos de desenho urbano, das tipologias arquitetônicas, do paisagismo, de drenagem, saneamento, da recuperação da mata ciliar, instrumentos essenciais para a requalificação espacial em harmonia com a recuperação ambiental. Como intervenção urbana factível, sugerimos as ações por etapas, em áreas estratégicas denominadas catalisadoras das transformações que articulem os tecidos urbanos da cidade formal e informal. Um parque linear as margens do Rio Jaguaribe, com ciclovia, pontes de conexão com Manaíra e equipamentos de lazer, articula toda a área de intervenção, valorizando a paisagem e o sentido de habitabilidade em contato com a natureza. Pela alta densidade habitacional e moradias em áreas de risco, somado a ausência de vazios para realocar as famílias ribeirinhas, foi definido no partido o redesenho nas bordas de urbanidade (extremos), com tipologias habitacionais verticalizadas para otimizar a ocupação do solo.

Da concepção – conceito de bairro-cidade:
Implementação de usos geradores de renda (comércios e posto de coleta seletiva), educação continuada e ambiental (escola), formação e capacitação profissional (centro de cursos profissionalizantes), espaços de convivência, lazer e esporte (praças e quadras poliesportivas), espaço de serviços e controle urbano (correios, casa lotérica, bancos 24h, posto policial e subprefeitura) incrementam as provisões de equipamentos e serviços previstos na proposta. A intenção é romper as barreiras da exclusão sócioespacial e disseminar as melhorias num movimento de ações dos limites de fora para dentro do bairro.